terça-feira, setembro 13, 2005

A Minimal

Entro numa loja acética de bom gosto subjacente, sento-me numa cadeira confortável e preparo-me para escolher uns óculos minimais. Para me ajudar na escolha tenho uma garota simpática e bonita que aconselha uma série de modelos ora caríssimos ora demodé, pergunto-me quem está a ajudar afinal e acabo por me decidir sobre uma pequena e frágil armação Dolce & Gabanna. É bonita, prima pela simplicidade de quase não se notar e acaba por encerrar uma certa elegância que me agrada.
Agora, em casa, percebo a verdadeira sensação de fragilidade que me cativou nos óculos, afinal estes não só aparentam sê-lo como também o são o que acaba por me causar inconvenientes vários como: um escorregar constante do nariz e uma sensação de leveza tal que por vezes me leva a esquece-los. Penso que é um preço a pagar pelo design, mas mesmo assim não o consigo tomar como justo!