domingo, agosto 14, 2005

Sábado calmo

Inclinei-me sobre a banca de jornais, puxei o meu habitual Expresso e por curiosidade, peguei também no Público. Eram dez da manha e eu ainda tinha tempo para uma vista de olhos sobre as maquinas fotográficas…sim, se me despachasse ainda podia passar pelo supermercado para comprar peixe.
Na secção de maquinas digitais estava a Daniela, velha conhecida, aproximou-se para me dar dois beijinhos e dizer “Olá” mas acabou á roda do mostrador comigo a ver se descobríamos uma objectiva capaz de substituir a minha antiga e altamente esmurrada P-10. “Sinceramente, aconselho-te uma destas Cannon…Vê bem as tuas fotografias, merecem mais que uma P-200!!” “Oh Daniela tu queres-me vender uma maquina de 1000 euros? Oh filhota…” argumentei eu desalentada “Só acho que tu podias comprar uma destas…são muito melhores e tu tens fotografias tão giras, imagina o que farias…” atacou ela com um sorriso nos lábios “Está fora de questão! É muito cara. Além disso é enorme, como é que eu enfio isso no bolso detrás dos jeans?” disse eu já a rir.
A verdade é que eu não queria gastar dinheiro nenhum numa câmara nova. A minha P-10, antes de avariar, funcionava na perfeição e para ser sincera, nunca me desiludiu quanto á qualidade de imagem. Também admito que ouvi inúmeras criticas quanto á autonomia da mesma, os meus amiguinhos amadores, numa época em que se vive uma enorme massificação do hobbie, tentavam fazer-me entender que as velhinhas eram mais divertidas, mas eu orgulhava-me imenso da “minha bicha” e por mais que procurasse uma nova “pet” não era capaz de me separar dos momentos vividos com a outra nas mãos.
A separação acabou por ocorrer forçosa e abrupta numa época completamente desfavorável…Pois não sei quando terei fotografias novas! Quem sabe se não pego na Olympus analógica do pai…



Maria