terça-feira, julho 19, 2005

Penso que foi na sexta-feira passada…Sim, deve ter sido.

Acomodei-me numa fétida e transpirada cadeira de biblioteca, abri o meu independente sobre a “tábua redonda” e iniciei uma pequena leitura.
Já não visitava a Biblioteca Municipal desde uma passada e frenética época de pesquisas, por isso, entrar ali, durante a tarde tórrida de Julho e observar o pequeno bulício de uma multidão demasiado compenetrada nos seus próprios afazeres para reparar numa miúda afogueada e ligeiramente apressada que irrompera pela sala dentro, foi sem duvida uma calmaria para o meu espírito desvairado.
No entanto esta paz que se me abateu durante uns bons minutos foi espalhafatosamente quebrada quando constatei uma pequena novidade no canto direito de uma das folhas do suplemento do jornal. Então não é que a Filipa Jardim, também conhecida como a miúda do extintor, agora tem uma belíssima E BEGE crónica num jornal nacional? Desculpem! Certamente estarei a exagerar, talvez não seja uma coluna, talvez seja apenas um rabisco da mesma. Mas a verdade é que a rapariguinha ataca forte e feio a vida social portuguesa e ate internacional, ao ponto de referir, entre outras trivialidades, a filmagem do Código daVinci, a peça da “querida” Sofia Alves e ate as ameaças que esta ultima tem vindo a receber por um louco anónimo.
Meu Deus! Tanta informação deixou-me estonteada! Tão estonteada que me benzi três vezes e sai imediatamente do canto…penso que foi pela repentina má disposição, constatada até pelo septuagenário na minha frente: “a menina está bem?” “eu? ah não, sabe…estes ares artificiais fazem-me sempre muito mal”…
E ficasse ele a pensar que eu me referia ao ar condicionado ou ao verdadeiro artificial e fútil social, fui embora dali o mais depressa possível!


Shiver